Categoria:

Vida corporativa

Um ano de peleja
Em breve completarei um ano que abandonei a vida corporativa tradicional em multinacionais para me dedicar de corpo e alma à construção de uma empresa de serviços financeiros. O famoso voo solo, que na prática não tem nada de solo, uma vez que você está
Ao longo de minha carreira, exerci o pragmatismo dos números à exaustão, atuando em áreas onde a zona cinzenta da subjetividade era um tema de menor relevância. Os desafios, inerentes a qualquer matéria quantitativa, é fazer com que os interlocutores estejam no mesmo nível de
Tempo (in)útil?
Já escrevi em outra ocasião sobre as diferenças entre a vida emprendedora e a corporativa, a partir de uma breve experiência com a primeira há alguns anos. Não pretendo chover no molhado, o foco desse texto será uma característica particular da jornada que abracei há
Vivemos em tempos extraordinários. Smartphones se tornaram extensões da nossa memória, acervo quase ilimitado de entretenimento, meios de pagamento, bancos eletrônicos. Dados são armazenados em nuvem, hardwares de capacidade gigantesca tornaram-se dispensáveis, relacionamentos podem ser construídos no mundo virtual. Há pouco menos de uma década
Por quase seis anos vivi fora do país. Foram três países (EUA, Grécia, Inglaterra), muitas histórias e uma experiência impagável. Retornei em 2009, quando o Cristo Redentor decolava como foguete do morro do Corcovado e o Brasil era o cisne do mundo globalizado. Na época,
O profissional de Risco
Há alguns anos, quem sabe uma década, as atividades inerentes ao Gerenciamento de Risco não eram muito conhecidas. Recordo-me de ter que explicar o que eu fazia a um ‘head hunter’ renomado, supostamente ligado ao que acontece no mercado. Hoje, uma situação dessas seria impossível.
A sina de Benedito Rocha
Nasceu Benedito. Benedito Rocha. E desde o dia em que tomou ciência das coisas do mundo, detestou seu nome. Exigiu explicações dos pais: ‘Por que Benedito, por que?’. Ouviu uma resposta plausível, mas que não amenizava sua revolta: ‘Homenagem ao meu avô materno, seu bisavô,
Durante pouco mais de três anos, entre o final de 2005 e 2008, tive oportunidade de viver na Europa, inicialmente na Grécia e depois na Inglaterra, no período que antecedeu o pior cataclisma financeiro desde 1929 e permeado por um contagiante otimismo em todas as
1 2
Send this to a friend