Um quase Papa brasileiro

image

Cansado de ficar cada dia mais à sombra da Presidente Dilma, sua pupila que depois de dois anos já caminha por conta própria nos taciturnos corredores do universo político brasileiro e manifesta, mesmo que discretamente, reclamações sobre uma inesperada herança maldita, fato que muito lhe magoa, o ex-presidente Lula viu na renúncia do Papa Bento XVI uma oportunidade de retornar de maneira triunfal aos holofotes; afinal, essa história de restringir-se a conselheiro de prefeito estava muito aquém de suas expectativas. 
image
Tão logo leu a notícia, telefonou para o seu assessor mais próximo:
‘ Você viu? O Bento renunciou! Eu quero ser o novo Papa!’
‘ Mas Presidente, isso não é possível! Você precisa ter uma carreira na igreja!’
‘ Fiz carreira no Sindicato dos Metalúrgicos, companheiro, nos tempos em que nós e a Igreja lutávamos contra a ditadura! Isso já deve servir. Sempre há um jeitinho para exceções! Chama o Duda! ‘
Receoso de se envolver em mais uma campanha eleitoral, depois do suplício do mensalão, onde terminou inocentado, Duda Mendonça tentou demover o ex-presidente de sua ideia:
‘ Presidente, essa não é a sua praia! Estamos falando da Igreja Católica, não se trata de um país ou cidade!”
‘ Você já viu quantas viagens um Papa faz? Eu quero estar lá, perto das comunidades carentes desse mundão, irei fazer um Bolsão Família para todos os países da África! Essa será minha plataforma de governo…digo…de Papado!’
‘ Mas, Presidente…!’
Em vão os amigos tentaram convencê-lo a desistir. Lula apostava na exceção. Ninguém acreditava que as Olimpíadas pudessem ser no Rio, e ele surpreendera a todos. Dilma e Haddad partiram de um traço nas pesquisas à vitória, graças a ele. Estava obcecado com essa nova oportunidade. De Presidente do Brasil a Papa. Calaria os analistas que diziam que ele seria candidato a governador. ‘Para baixo, jamais’, pensava. ‘Eu quero é mais! ‘.
image
Formalizou então uma petição ao Vaticano, solicitando que abrissem um precedente e que permitissem sua concorrência ao Papado. Registrou os mais diversos argumentos, reforçando o fato de que lutou junto com a Igreja contra a ditadura, que foi o primeiro operário proveniente das classes mais desfavorecidas a se tornar presidente do Brasil e que praticamente refundou o país, tornando-o uma potência emergente com voz ativa nos fóruns globais. Ressaltou que em sua gestão mais de 40 milhões de pessoas deixaram de ser pobres, e que nunca antes na história da humanidade um governo tinha abraçado tão veementemente a causa cristã. Todos esses feitos, em um período onde o mundo sucumbia ante o materialismo de uma sociedade mercantilista, eram suficientes para que o Vaticano considerasse a exceção. ‘ Eu prometo duplicar o número de fiéis em quatro anos’, finalizava a petição. Uma tremenda peça de marketing. Mesmo o mais católico dos cardeais poderia ser tentado a considerá-la.
image
Em nota explicativa, Lula sustentou que nunca soube de nada sobre o mensalão, e que no seu entendimento isso não passava de uma história criada pela mídia golpista, com apoio das elites inconformadas com a maior equidade social do Brasil. O Supremo havia se equivocado. Garantiu que José Dirceu não participaria de seu Papado, ‘Tem outros interesses no momento e estará cumprindo pena’ e que sua candidatura era apartidária, desvinculada do Partido dos Trabalhadores. ‘ Prometo ser o Papa dos pobres e aproximar ainda mais a Igreja do povo!’
image
A notícia de sua candidatura de exceção vazou na imprensa internacional e ganhou corpo no mundo. Alguns veículos formadores de opinião passaram a considerá- lo favorito na disputa.’ Lula já tem o apoio de todos os cardeais provenientes da África e América Latina’, destacava o New York Times. ‘Discurso de Lula convence cardeais italianos’, dizia o Corriere dela Sera. ‘ Só falta a aprovação da candidatura para Lula se tornar o novo Papa’, destacava o britânico The Times. ‘ Será a maior quebra de paradigma da história da Igreja’ , registrava o espanhol El País, dando como certa a eleição de Lula, que estava confiante. No círculo mais íntimo discutia apenas uma questão essencial: e se o Vaticano condicionasse sua candidatura ao celibato? Afinal, ele era casado e padres não casavam.  A Igreja tampouco apoiava o divórcio, por isso não seria uma opção separar-se de Marisa. Esse era o único imbróglio para o qual ele não tinha solução…’ Se me derem uma chance’, pensou ele, ‘ me converto ao celibato…mas abro um escritório do Vaticano em São Paulo!’.
image
Ansioso pela resposta à petição, que não chegava, Lula desenhava as diretrizes do seu Papado. ‘Serei conhecido como Papa Luis I, o Papa do povo!’, dizia à sua equipe. ‘ Já tenho 60% do eleitorado comigo’. ‘ Calma, Presidente’, retrucavam seus amigos mais chegados: ‘ Ainda não formalizaram a sua candidatura’. Eis que a dois dias da eleição, o Vaticano se pronuncia…em conferência telefônica, os representantes da Igreja começam a conversa ressaltando que estavam todos lisonjeados com a proposição de Lula, um exemplo irretocável de cristão. Conversa vai, conversa vem, elogios para cá e para lá…até que finalmente eles sacramentam a negativa. A candidatura de Lula não fora aprovada. Decepcionado, Lula pergunta se o fato de ser casado teria influenciado a decisão. Ouviu que sim, era um dos motivos, mas o que mais pesou foi o fato dele ser monoglota. ‘ Um Papa fala ao menos cinco idiomas’.
image
Um Lula extremamente abatido foi imediatamente consolado pelo Vaticano, que amenizou a má notícia com uma alternativa: ‘ Sr. Lula, dada a impossibilidade de atender ao seu pedido, analisamos detalhadamente o seu currículo, e chegamos a conclusão de que apesar de não servir para Papa, o Sr. atende as exigências de canonização. Topas ser santo? São Luis Ignácio do Brasil? ‘
Do outro lado da linha, um Lula agora sorridente respondia: ‘ Reconhecimento justo! Eu aceito!’
8 Comments
0

8 Comentários

  1. Avatar

    Felix

    12 de fevereiro de 2013 em 12:10

    Deveria estar na Veja esse retrato do descaramento político do Lula. Ótimo texto rs rs rs. Apostaria um braço que Lula e o Hugo Chaves lastimaram com a decisão de renuncia do Papa e ficaram inconformados com a decisão de alguém que pode ser Presidente até morrer e abre mão disso. Apesar que o Hugo só vai largar o bastão na morte mesmo pelo jeito. Abcs

  2. Avatar

    Cezar Chiarantano Jr

    12 de fevereiro de 2013 em 20:45

    Será que o Mantega daria conta do rombo fiscal do Vaticano?

  3. Avatar

    Carol Figueiredo

    13 de fevereiro de 2013 em 21:46

    Kkkkk…você estava inspirado quando escreveu o texto. Excelente! Depois me fala onde poderei comprar um santinho dele para colocar no altar de casa, afinal de contas, será um santo pernambucano!!!

  4. Avatar

    Amaury Camargo Monaco

    13 de fevereiro de 2013 em 23:12

    Eu nao entendo porque recusaram a CANDIDAtura do nosso mestre e guia lulla…creio que o fato das linguas foi desculpa ..o medo e’ que depois de Papa..so ia faltar ser Deus…

  5. Avatar

    Elcio

    14 de fevereiro de 2013 em 00:37

    Victor, brilhante!!!
    Acho que deveriamos pensar nos possíveis cardeais para assessorar o Luis I ou o Luis LI (51) como li em outro blog. Que tal o Delúbio para tesoureiro do Vaticano? Acho também que um dos motivos da recusa foi o fato do meliante insistir em nomear a Rosemary como chefe do escritório do Vaticano no Brasil…

  6. Avatar

    Pacho Munoz

    17 de fevereiro de 2013 em 10:56

    Fantastico Victor!!! 🙂

  7. Avatar

    Ricardo Gardesani

    20 de fevereiro de 2013 em 17:33

    Sensacional! E tenho certeza que esse pensamento passou na cabeça do Lula, afinal seria definitivamente a canonização do santo do pau oco!

Deixe uma resposta

Send this to a friend