Categoria:

Filosofia de boteco

Os pesadelos do engenheiro
Faltam 10 minutos para acabar a prova. Cheguei atrasado, nem sei o porquê, e agora tenho que correr contra o tempo. Eu sei resolver as questões, mas o nervosismo se apodera da alma, me dá um frio na barriga e eu fico estático, não consigo
Divagações sobre o senhor da razão
Diante de situações corriqueiras do cotidiano, somos inclinados a julgar a qualidade da fotografia e nos esquecemos do filme, um conjunto imenso delas capaz de nos contar a história, tal qual ela ocorreu. Em algumas o ocasiões uma cena é suficiente para subsidiar uma opinião,
A dor, essa maldita
Sempre ouvi falar da dor nas costas pela experiência de amigos desafortunados, que tiveram o azar de experimentá-la ainda na plenitude de sua maturidade e que sofreram por dias ou até mesmo meses com movimentos comprometidos. É óbvio que depois de quatro décadas de vida
Diálogos pueris
O trânsito em marcha lenta tem potencial para ser uma das situações mais irritantes em nosso cotidiano. Não se você tiver a tiracolo dois guris de quase cinco e três anos e meio, confabulando sobre o futuro: ‘ O que você vai ser quando crescer’?
Difícil encontrar na atualidade um conflito maior que o travado entre os interesses de curto e longo prazo, em praticamente qualquer ramo de atividade. Ouso dizer que ambos são inimigos mortais e que sua convivência pacífica, quando ocorre, é absolutamente efêmera.
Os mortos valem mais que os vivos
Por que dispensamos aos que se foram tratamento muito mais especial do que lhes dedicávamos em vida? Será próprio da natureza humana a atitude de valorizar pessoas, eventos e situações apenas quando as perdemos, sem lhes atribuir o devido reconhecimento quando as temos ao nosso
Pai de três guris
Confesso que torci descaradamente para que meu primeiro filho fosse um guri, sentimento que era visto com certo receio pela minha mulher. ´E se for menina? ´. ´Tudo bem, se for menina, mas prefiro um menino´, resposta que carregava o pragmatismo típico do universo masculino.
Feliz dia novo!
Quando o ano chega a seu crepúsculo, somos acometidos por uma onda de gentileza sem precedentes. Desejamos saúde, alegrias e felicidades, até mesmo a estranhos com quem temos pouco contato ou nenhuma empatia. Comemorações proliferam em bares e restaurantes por todos os rincões do planeta,
Carta aberta ao meu amigo Ócio
Caro Ócio, Apesar de sua visita ter sido planejada, e de sabermos que conviveríamos por um tempo indeterminado, eu confesso que no começo, sua companhia foi um tanto desconfortável para mim. Afinal, nós éramos dois estranhos. A última vez que nos vimos com tempo de
1 2 3

Send this to friend