O grande desafio do covid-19

O grande desafio do novo corona vírus não é a sua letalidade, baixa e que tende a ser menor que o usualmente divulgado, à medida que conhecemos mais a doença, e sim o tempo de permanência na UTI para os casos graves. São duas semanas em média, e isso deve ser muito maior que o período de internação usual (peço aos médicos que se manifestem).

Então você imagine um vasto contingente de pessoas entrando ao mesmo tempo na UTI e com a perspectiva de ocupá-la por duas semanas. A doença tem o potencial de entupir os canais de saída de casos graves de um hospital.

Tome uma linha de produção que funcione perfeitamente até a última etapa, até que nesse momento uma máquina pifa e a indústria não consegue liberar o produto final. Ou um banco que aprova um empréstimo e se vê impossibilitado de efetuar o depósito na conta do cliente. Agora imagine essa situação de travamento ocorrendo por muito tempo. Seria um problemaço para a indústria e para o banco…

Analogamente, visualize os hospitais abarrotados de pacientes em suas UTIs por um período prolongado, sem conseguir atender à demanda usual, já que a capacidade está toda utilizada. Os óbitos por covid seguirão sua proporção normal, mas aí teremos os acidentados, enfartados, AVCs etc…sem tratamento adequado.

Três soluções:

A primeira é diminuir a demanda por hospitais através do isolamento, reduzindo a quantidade de gente infectada. Ganha-se tempo e mais pessoas vão ficando imunizadas. Para esse fim estamos ‘reclusos’ desde 18/03.

A segunda é ser o mais eficiente possível no tratamento em leito clínico, evitando a migração dos pacientes para as UTIs, onde está o gargalo. Aí entra a conversa do remédio. Há que se evitar a todo custo que ocorra essa mudança de estágio. Aparentemente, a tal Hidroxicloroquina está sendo usada em larga escala logo no começo do tratamento. Se em situação normal, x% dos clientes passam para a UTI e algum protocolo o reduz, é um alívio para sistema;

A terceira é ampliar a capacidade das UTIs, ou melhor, dos leitos com respirador. Não sei quanto evoluímos nesse item, pois falta-nos a essencial transparência.

Quando medimos os números de óbitos, eles comparativamente estão bem mais baixos que no hemisfério norte, o que é uma ótima notícia, pois no final, todo esforço é para evitá-los. Ocorre que somente essa info não nos permite ter uma visão sobre a possibilidade de colapso. Se ele ocorrer, o vírus passará a matar indiretamente pessoas com outras enfermidades, por falta de atendimento.

O números de óbitos parece ter estabilizado, e tal qual aconteceu com os europeus um pouco antes de nós, é possivel que tenhamos atingido o pico da doença nessa onda. A afirmação merece cautela, pois o óbito, como já foi dito, é o final do ciclo (assim como a cura).

E tão importante para sabermos se o sistema de saúde dará conta do recado são as informações de início do ciclo combinadas com a capacidade e ocupação dos leitos. Com só um pouco de competência e transparência teríamos acesso a elas…’sqn’.

Fosse o período médio de internação na UTI de uns 2 dias, provavelmente nem teríamos quarentena. Mas são duas semanas, é aí que o bicho pega.

De qualquer maneira, tudo indica que estamos no pior momento. Desse ponto em diante, só vai melhorar.

2 Comments
0

2 Comentários

  1. Avatar

    PAULO R DE A LOZANO

    6 de maio de 2020 em 16:36

    ‘Estamos em 05 de maio e tenho comprovação de que o pior ainda não passou.

  2. Avatar

    Silvana

    27 de maio de 2020 em 21:31

    Adorei seu blog… parabéns!!!

Deixe uma resposta

Send this to a friend