Foi dada a largada!!!

A primeira pesquisa Datafolha após a prisão do grande chefe confirma um cenário completamente aberto para as eleições presidenciais de Outubro. Muito embora nem todos os nomes estejam confirmados e ainda exista a possibilidade de novos candidatos, é razoável assumir a participação de Haddad como representante do PT e Meirelles do MDB. A análise que segue é baseada nessas premissas.

Em um primeiro momento, há dispersão na migração das intenções de voto do ilustre presidiário, mas Marina Silva parece ser a maior beneficiária, a ponto de empatar tecnicamente com Jair Bolsonaro, estacionado no patamar de 17%. Ambos terão pouquíssimo tempo de TV, carecem de estrutura partidária e alianças. Seria ingenuidade pensar que uma campanha focada fortemente nas redes sociais consiga sozinha colocar um candidato (a) no segundo turno.

A favor de Marina, conta o histórico de dois terceiros lugares nas últimas eleições, com um percentual que em Outubro provavelmente a credenciaria à grande final. Ocorre que nos dois últimos pleitos havia pouquíssimas opções, contrastando com mais de uma dezena agora.

Bolsonaro se apoia em um discurso ‘anti-establishment’ e politicamente incorreto que angaria milhões de simpatizantes, embora ele mesmo seja um veterano de pouco destaque no parlamento, a não ser por algumas polêmicas frases de efeito. Caso sua atual base de sustentação se mantenha leal, será forte candidato ao segundo turno, quando então terá dificuldade se não reduzir seu nível de rejeição.

Na sequência, temos Ciro Gomes e Joaquim Barbosa com 9%, Geraldo Alckmin (7%) Álvaro Dias (5%), tecnicamente empatados dentro do intervalo da margem de erro.

Muito se fala de Ciro Gomes como um possível herdeiro do espólio lulista. Veterano de duas eleições presidenciais, ex-ministro de Lula e Itamar, o político cearense, tão bem articulado quanto intempestivo, costuma morrer pela boca. Capaz de elaborar sobre teses falsas como se fossem verdades científicas, é especialista em agressões verbais e confusões, a ponto de ser o maior adversário de si mesmo. Em simulações de segundo turno, é o único que hoje não venceria Bolsonaro. Não parece ainda ter a musculatura que lhe atribuem.

Joaquim Barbosa, recém filiado ao PSB, não é oficialmente pré-candidato, mas estreou muito bem nas pesquisas, em um nível que certamente lhe credencia à disputa por uma vaga no segundo turno. A seu favor, o fato de ser conhecido como um personagem honesto na vida pública, a condução do processo do mensalão e sua própria história de superação. Contra si pesa o fato de ser apenas um ex-juiz, sem nenhuma experiência política e com pouco trânsito no Congresso. A última presidente com essas características foi impichada. No deserto em que nos encontramos, um personagem honesto e de visibilidade nacional passa a ter chances reais. A governabilidade no ano seguinte não é algo que se leve em consideração pelo eleitorado.

Qualquer governador de São Paulo é um candidato natural ao Palácio do Planalto, mas Geraldo Alckmin começa em um patamar aquém do que sua antiga função é capaz de proporcionar. Desgastado pela imagem do partido e uma gestão à frente do estado mais rico e populoso avaliada apenas como regular, sua candidatura não empolga nem o tucanato, que tampouco tem opções melhores para apresentar ao país. Joaquim Barbosa, Álvaro Dias, Marina Silva e Jair Bolsonaro devem lhe roubar votos e dificultar sua vida. Não fosse a nota de corte para o segundo turno baixa, teria uma missão quase impossível.

Álvaro Dias não é considerado pela mídia como uma alternativa viável, mas está a uma distância mínima de Alckmin, em um partido recém organizado e sem a estrutura e visibilidade do PSDB. É verdade que Dias é um candidato por ora regional, com grande força no sul, mas também é aquele com menor rejeição, o político mais experiente entre os potenciais competidores, sem estar implicado em denúncias de corrupção. Dependendo da robustez de suas alianças, pode garantir mais tempo de TV e sonhar com um crescimento que lhe coloque em definitivo no páreo. Difícil, mas não impossível.

Dos candidatos com 2% ou menos, vale a pena mencionar aqueles que ainda podem se tornar competitivos. Um deles é Fernando Haddad, provável substituto de Lula nas urnas. O ex-prefeito paulistano não é exatamente um campeão de votos, mas seguramente herdará parte dos que seriam atribuídos ao seu líder supremo, o que atrapalharia principalmente Marina e Ciro. Haddad pode se tornar mais ou menos competitivo, dependendo de quando começar sua campanha. Caso o PT se mantenha refém de seu chefe detento e insista em sua candidatura falaciosa, que seguramente será impedida até Setembro, Haddad não terá tempo suficiente para emplacar. Por outro lado, se o partido assumir sua candidatura com mais antecedência, teria condições de trabalhar a transferência de votos e quem sabe até colocar seu candidato no segundo turno. Um patamar de 15-16% é completamente viável para um candidato petista. Nesse caso, o partido está entre a cruz e a espada: permanecer leal ao passado ou recomeçar.

Como presidente do BACEN, Henrique Meirelles foi um dos pilares de sustentação do governo Lula, e como ministro da Fazenda conferiu credibilidade à precária gestão Temer. Os números lhes são favoráveis. Fosse uma disputa para CEO do Brasil, seria favoritíssimo, mas não é o caso. Excessivamente técnico, terá dificuldade de se comunicar com o povão. Se ao menos o nível de desemprego estivesse em queda livre, teria uma demonstração mais concreta de suas ações, mas a recuperação econômica é tímida para ganhar uma eleição, ainda mais pelo partido do impopularíssimo presidente. De qualquer maneira, Meirelles terá bastante tempo de TV à sua disposição e uma possível melhora em sua competitividade depende de como ele irá aproveitá-lo. Seria ingenuidade descartar as possibilidades do candidato de um partido presente em todos os rincões do Brasil.

Se considerarmos que Haddad e Meirelles ultrapassarão a marca de 4%, teríamos oito candidatos acima desse patamar. Em 1989, os sete primeiros o fizeram. Não há dúvidas de que em 2018 vivenciaremos a eleição mais disputada de todos os tempos.

As alianças ainda não estão fechadas, e muitos partidos que hoje dizem ter candidatos, desistirão da empreitada. Uma vez que o fundo partidário é fixo e financiará todas as campanhas, uma candidatura presidencial consumirá mais recursos, esvaziando os bolsos dos candidatos ao Congresso.

Quem não se tornar competitivo, será pressionado pelos correligionários a desistir em prol de uma aliança. Assim, DEM, PSD, PP, PTB, PRB, dentre outros, devem negociar apoio a alguma candidatura mais forte. Aliança é sinônimo de tempo de TV, variável que pode decidir uma eleição. Embora as mídias sociais tenham relevância maior do que há quatro anos, não podemos nos esquecer de que o Brasil é um país pobre e de baixa instrução, e a TV/Rádio ainda são os meios universais de comunicação.

Os demais candidatos não citados aqui ficarão satisfeitos se atingirem 2-3% e tendem a ser coadjuvantes em Outubro. Sempre é possível haver surpresas, mas o sistema eleitoral brasileiro dificulta a vida dos novatos. Ainda há tempo para o surgimento de um ‘outsider’, mas a cada dia que passa esse evento torna-se menos provável. É possível afirmar com pouca chance de erro que todas as cartas estão na mesa.

Em um cenário altamente fragmentado, onde um candidato com irrisórios 15% pode chegar ao segundo turno, previsões estão fadadas ao fracasso. As pesquisas, nesse momento, quando muito, detectam tendências. A verdade é que os oito candidatos avaliados acima podem nutrir esperanças. Estamos a zero de jogo, com noventa minutos pela frente, prorrogação e quem sabe disputa de pênaltis. Cedo para prognósticos, melhor deixar a bola rolar.

2 Comments
0

2 Comentários

  1. Márcia

    18 de abril de 2018 em 10:57

    Vou acompanhar as pesquisas da eleição pelo seu blog, muito mais confiável do que as pesquisas dos institutos por aí…..boa sorte para todos nós!

    1. Victor

      21 de abril de 2018 em 00:32

      Obrigado pela confiança, Marcia!!

Deixe uma resposta

Send this to friend