Um ano de incertezas, o ano da verdade

O Brasil chega capegando ao último ano do que foi provavelmente o pior quadriênio de sua história, iniciado em 2015 com o segundo mandato da mais inepta, autora da tempestade perfeita que a expurgou do cargo em meados do ano passado, em um penoso processo de impeachment que durou nove meses.

Essa gestação pariu um novo governo com espasmos reformistas e alma corrupta, envolvido dos pés à cabeça em todos os possíveis escândalos e maracutaias desvendados pelas diversas operações anti corrupção capitaneadas pelo MPF e Polícia Federal, consequência natural do DNA de seus principais integrantes e da aliança de 13 anos com o petismo.

Chegaremos ao final do 2018, entre duas Copas do Mundo, com a economia encolhendo 4-5% no período, comprovação da nova década perdida, e com quase tudo ainda a ser reformado. A da Previdência, se vingar, será bem “light” e exigirá novos remendos em breve. Após a sua aprovação, ainda possível, o Brasil mergulhará em um longo período de  incerteza, que se encerrará na definitiva hora da verdade, após o segundo turno das eleições.

Acostumado a reclamar da qualidade de seus políticos, o brasileiro terá a oportunidade única de não reeleger um sem número de canalhas e assim retirar seu direito à impunidade provida pelo foro privilegiado, remetendo-os aos cuidados da primeira instância da justiça, pesadelo da maioria dos parlamentares. Por outro lado, existe também a possibilidade de que boa parte da politicalha se reeleja, garantindo a manutenção do status quo. Se endossado o ‘modus operandi’ da política nacional, reclamações posteriores serão tão inúteis quanto hipócritas. A eleição do Congresso é tão importante quanto a presidencial, por mais que essa última monopolize a atenção da mídia e da população. Nesse contexto, não sabemos o que está por vir. O esclarecimento para essa dúvida somente teremos após checar a lista dos parlamentares a serem empossados em 01/01/19. Renovar é preciso, resta saber se o Brasil está realmente disposto a fazê-lo.

A incerteza no cenário das eleições presidenciais é amplificada pelo fator Lula: provável condenado pelo TRF4 no começo do ano que vem, o ‘Messias’ do petismo apelará à toda forma de chicana para permanecer na disputa e judicializará a questão do registro de sua candidatura, que deverá ser decidida pelo STF ou seu filhote TSE. A nossa Suprema Corte é a maior produtora de insegurança jurídica do país, e o fato dela ser alçada à condição de protagonista do processo eleitoral é uma má notícia.

Independente do juízo de valor sobre o condenado, uma permissão judicial para que ele concorra a um cargo majoritário seria obviamente um atestado de inutilidade do nosso sistema judiciário, além de vergonha planetária. Pior que isso somente se o sujeito ganhasse a eleição. O presídio tomaria conta do Planalto sob a chancela da população, e a lei do ‘Vale Tudo’ seria instaurada no país, que abraçaria a imoralidade como algo natural e aprovável.

Por mais que pareça um absurdo aos ouvidos de um leigo, o cenário de terror descrito acima é possível, até que se prove o contrário. E se felizmente a racionalidade prevalecer, as alternativas dispostas sobre a mesa não são nada auspiciosas. Muito embora haja tempo para o surgimento e a consolidação de alguma novidade, o sistema político brasileiro tende a sufocar novas lideranças ou partidos fora das castas tradicionais.

Que país emergirá das urnas em Novembro? Aquele com o qual sonhamos ou o que já temos? Ainda é cedo para prognósticos, mas sabe-se que uma população omissa está fadada a ser liderada por malandros ou oportunistas. Por mais que lhe pareça abjeto, é hora de você se envolver com política, pois talvez o próximo ano seja a última oportunidade de criarmos um ponto de inflexão que coloque o Brasil na rota do desenvolvimento contínuo. A incerteza será substituída pela verdade.

Feliz 2018, Brasil! Tudo de bom para você.

 

2 Comments
0

2 Comentários

  1. Maria Carolina Alves dos Santos

    29 de dezembro de 2017 em 12:41

    Excelente, Vitor. Acabara de postar na página de um amigo minhas incertezas para 2018, razão pela qual estou evitando o chavão “Feliz Ano Novo. Seu texto formula com rara perspicácia o temor perpassa minhas reflexões, e acredito de muitos outros. Já está em minha página hoje do FB, onde me identifico como Mayna Santos.Abraço.

    1. Victor

      29 de dezembro de 2017 em 13:36

      Mayna, obrigado!
      Espero que nossos receios não se materialize e que 2018 nos surpreenda positivamente!
      Tudo de bom para você!

Deixe uma resposta

Send this to friend