Relaxe: até os mitos envelhecem!

O maior velocista da história da humanidade foi derrotado ontem na final dos 100m rasos do Mundial de Atletismo em Londres. Medalha de bronze na prova que o consagrou, Usain Bolt não conseguiu subir no lugar mais alto do pódio no ano de sua aposentadoria. Isso em nada ofuscará sua extraordinária carreira, apenas ressalta o que todos sabemos: o tempo passa, e com ele vem a inevitável decadência física.

Quando ela começa a enviar seus primeiros sinais é assunto polêmico. Talvez naquele momento em que você não pode mais comer o que quiser impunemente, em meados da sua terceira década de vida. Ou quando o tempo de recuperação para contusões aumenta inexplicavelmente, isso já se nota claramente aos trinta.

A evidência mais constrangedora de que o sujeito já é um ‘senior’ ocorre nas humilhantes dores lombares. Aqueles que já tiveram o desprazer de experimentá-la, sabem do que estou falando. Quando você se sente inapto a amarrar os próprios sapatos pelo receio de não conseguir se levantar, tem certeza que o envelhecimento é uma realidade. As crises lombares passam, mas a preocupação com elas é típica de quem já cruzou o ‘cabo da Boa Esperança’.

Outro dia, cronometrei o tempo de uma volta ao redor de uma pista de atletismo; fui mais rápido que meu filho de 7 anos por menos de um segundo. Em breve, serei superado. Sou solidário ao Bolt, entendo o que ele está sentindo…

Os efeitos colaterais da idade não perdoam ninguém, os praticantes de esportes que o digam. Eu, que avanço como um trem bala a década dos quarenta, não consigo nadar na mesma intensidade que há 10 anos, principalmente as provas curtas, que exigem explosão. Oito segundos me separam do que costumava fazer em um passado não muito distante para os 100m livre. Ao lado de mim mesmo há uma década, sou hoje uma tartaruga.

Em muitos casos, o futebol é um grande delator. Já joguei muita bola. Houve épocas em que eram horas seguidas, sem que viessem acompanhadas de dores ou contusões. Como se trata de um esporte que exige muito condicionamento físico, explosão, choques e técnica, treinamento é fundamental. As responsabilidades que a vida traz com o tempo jogam as ‘peladas’ para os itens não priorizados na sua agenda, e assim, de repente, você fica um ano ou mais sem jogar. E aí um belo dia surge a oportunidade de reviver os bons tempos. Se estiver entre ‘praticantes’ mais novos, a chance de passar vergonha aumenta consideravelmente.

Para começar, vem conclusão rápida de que o corpo já não acompanha a sua mente. Os reflexos são mais lentos, quando você pensa em dominar a bola, alguém já apareceu e fez o desarme. E o passe, que sai com erro de dois metros, que vergonha! Um chute forte pode causar uma distensão muscular, um drible acabar na perna do adversário e um carrinho no hospital. Mas o pior de tudo são os piques improdutivos: seu time retoma a posse de bola e vai ao ataque, você puxa todo o ar dos pulmões e corre 30, 40m na velocidade máxima, à espera de uma oportunidade de finalização ou qualquer participação importante. Nada disso, o ataque dá em nada, você nem tocou na bola e a equipe adversária está com ela. E agora, para voltar os 40m? Chamem a SAMU! Exageros à parte, o futebol ‘recreativo competitivo’ traz essas sensações a quem o pratica anualmente, fato que me faz pensar seriamente em uma aposentadoria definitiva.

Esse texto talvez não cause empatia aos que estão com seus vinte e poucos anos, desfrutando o apogeu de sua forma física. Para esses, fica apenas a mensagem de que sua hora chegará. Chega para todos. É inevitável.

Aos que experimentam no dia a dia os sinais da decadência – entendo que a palavra soará forte – não resta outra alternativa senão experimentá-la em sua plenitude e fazer o que estiver ao seu alcance para que seja suave e gradual. Enquanto a mente estiver a pleno vapor, aquela dorzinha no joelho ou na lombar serão o menor dos seus problemas. Bem vindo ao clube, Usain!

0 Comments
0

Deixe uma resposta

Send this to friend