Muitas vidas em uma só


Nossa trajetória profissional está repleta de ciclos que começam, terminam, renovam-se ou modificam-se completamente. Cada um deles equivale à uma ‘vida’, e muitas vezes passamos por ela sem perceber a força dessa analogia e aproveitar os benefícios que essa visão nos proporciona.

Em cada ciclo, estabelecemos relações profissionais em todos os níveis: com chefes, pares, subordinados, clientes, fornecedores, parceiros. Aprendemos a transitar pela corporação em que trabalhamos e a lidar com sua cultura, virtudes, vícios e dogmas. Temos a condição de nos capacitar no exercício de nossa função, tornando-nos especialistas em determinados assuntos. À medida que interagimos com outras pessoas, podemos despertar os sentimentos comuns vinculados à conexão entre seres humanos: admiração, indiferença, amizade, lealdade, amor, raiva, entre outros tantos. Podemos influenciar e inspirar, assim como desperdiçar a oportunidade de fazê-los. Semear a camaradagem e o espírito de equipe ou a discórdia, dependendo de nossa natureza ou das circunstâncias que nos cercam. Invariavelmente nos é oferecida a possibilidade de criar ou executar melhor algo já existente.

Por mais simples que seja um trabalho, é sempre possível tecer uma complexa rede de inter-relações, de tal modo que podemos compará-lo à uma vida. Crescemos, aprendemos, atingimos a plenitude, podemos desfrutar da maturidade. Muitas vezes, somos arrancados da ‘vida’ antes dela chegar, pelas mais diversas razões, ou decidimos começar um novo ciclo prematuramente. Em ocasiões cada vez mais raras envelhecemos com ele, dado o intenso dinamismo do mercado de trabalho dos tempos atuais em quase todas as carreiras.

Assim como nos percalços de nossa trajetória pessoal, cada ciclo nos brindará com dificuldades de magnitudes diversas, que podem acelerar seu fim ou alongá-lo, nos motivar ou deprimir, mas que seguramente colaborarão com o nosso crescimento. São muitas as analogias possíveis que tornam o fato irrefutável: viveremos muitas vidas em uma só.

Me aprofundei nessa teoria há um mês, quando comuniquei à minha equipe que estava de saída, após 4 anos e meio de parceria. Apesar de estar para o meu ciclo tal qual um velhinho de 90 anos com Alzeihmer está para a sua vida, o que significa que a minha ‘partida’ já era esperada para um futuro próximo, a notícia concreta do evento causou um certo clima de consternação, como um velório. No caso, o meu! Mesmo quando sabemos que a partida de um ente querido está próxima, quando ela se concretiza não há como ignorar a sensação de ‘perda’. Assim como na vida, em nossos ciclos profissionais, nós ‘passamos’…

E tal qual no confronto com o crepúsculo dessa nossa existência, caberão os auto-questionamentos quando ‘partirmos dessa para melhor’: O que fizemos? O que plantamos? Quais relações construímos? Qual legado deixamos? O que compartilhamos? O que inspiramos? Vivemos mesquinhamente buscando o sucesso individual ou generosamente disseminando o sucesso coletivo? O que realmente importa, ao término de uma jornada, é a certeza de que ela valeu a pena. E isso não está relacionado ao seu suposto sucesso pessoal, seu ‘status’ ou situação financeira. Alguém em funcões muito modestas pode ter respostas a essas perguntas bem mais reluzentes que outros no ‘topo da cadeia alimentar’ de uma vida corporativa.

Viveremos muitas vidas em uma só. A cada fase, deixaremos para trás pessoas que podem ou não permanecer em nosso círculo próximo, projetos que poderão ser esquecidos ou melhorados. Qual terá sido a nossa marca? ‘Passaremos dessa para melhor’ algumas vezes, teremos muitos velórios. Valerá a pena? A responsabilidade é toda nossa. Deixaremos lembranças que se apagam com o ‘virar da página’ ou saudades, que marcam eternamente?

 

12 Comments
0

12 Comentários

  1. Gilson Santos

    17 de agosto de 2013 em 08:31

    Oi Victor, provavelmente você não lembre de mim. Eu trabalhei com o Yutaka na Credicard e com o Decio na Orbitall, era Gerente do Control Desk de Cobrança, quando você era Diretor de MIS do Sergio Bahdur, e participamos de algumas reuniões juntos, cheguei a ver algumas apresentações suas . Passei pela área de Cobrança de Veiculos do Itaú e Safra e atualmente sou Diretor de Planejamento da Localcred Brascobra. Parabéns pelo texto, muito sensível e assertivo, a metáfora com as várias vidas profissionais que vivemos é perfeita, eu também já havia feito essa associação várias vezes, entendo que muito mais do que simplesmente ganhar dinheiro ou construir uma carreira, temos a missão superior de tocar positivamente a vida das pessoas, orientando e ajudando-as a construir seu futuro profissional. Boa sorte na sua próxima “vida” , que com certeza será de muito sucesso, pois você é um profissional brilhante. Um grande abraço, Gilson Santos.

    1. Victor

      18 de agosto de 2013 em 18:54

      Gilson, é claro que eu me lembro! Acompanho sua trajetória de longe, qq dia tomaremos um café quando eu passar aí para uma visita! Obrigado pelos comentários! Abs

  2. Pedro Moral

    17 de agosto de 2013 em 12:41

    Dois destaques, dentre vários, no seu texto:

    “Podemos influenciar e inspirar, assim como desperdiçar a oportunidade de fazê-los”

    “O que realmente importa, ao término de uma jornada, é a certeza de que ela valeu a pena”

    Em tempo: Quando termina a jornada do Juninho no Vasco?

    1. Victor

      18 de agosto de 2013 em 18:52

      Pedrão,
      Espero que ainda leve muito tempo, pois ele é o único que se salva naquee time! Abs

  3. Fehlauer

    18 de agosto de 2013 em 21:36

    Victor,

    Belo texto!
    Obrigado por compartilhar.

    Abraço

    Fehlauer

  4. Daniel Celeguim

    19 de agosto de 2013 em 00:27

    Victor,

    Tentarei responder de forma sucinta e objetiva, o que significou sua ultima passagem profissional ao longo desses últimos 4 anos e meio. Essas palavras, também ajudam a responder suas perguntas no belo texto publicado.

    Certamente voce deixara grande Saudade que ficara marcada eternamente, tanto pela sua indiscutível capacidade técnica, como principalmente pela sua maravilhosa competência de cuidar das pessoas , formar grandes times e liderar as mudanças.

    Se ainda tem alguma duvida sobre a sua marca, saiba que sempre será a de um grande profissional, excelente pessoa e um amigo que tive a honra de conhecer e admirar !!!!!

    Abcs
    Daniel Celeguim

  5. Fausto Pereira

    19 de agosto de 2013 em 02:01

    O Professor Cheid, ao ser homenageado com o prêmio Norman Borlaug, disse: “Obrigado, prêmios assim me fazem continuar trabalhando cada vez mais. Tem duas formas de sermos felizes: uma é a de termos realizado muito e ficarmos felizes com o dever cumprido. A outra é a de ficarmos felizes por tudo de valoroso que ainda poderemos fazer. E tem uma terceira, unirmos ambas as anteriores”. Independente de qual for a sua nova estrada, vc deixou um legado de conhecimento, estilo de liderança e resultado q tenho certeza q vc tem a sensação de dever cumprido esta etapa, então, q venham outras missões, desafios, pessoas para q o senso de realização x valor do q pode ser feito, possam ser ainda mais grandiosos e recompensadores, pois vc merece!! Abracos

  6. Heliana Cunha Ferreira

    3 de novembro de 2013 em 20:53

    O livro O EVANGELHO SEGUDO O ESPIRITISMO,por Allan Kardec é muito esclarecedor.Seguido por O LIVRO DOS ESPÍRITOS,tb d Allan Kardec.Divirta-se.Boa viagem!

  7. Flora Portellada

    7 de janeiro de 2014 em 07:52

    Victor
    Voce com certeza deixou um vazio! As corporacoes tem muitos chfes, poucos lideres.
    Voce foi sempre generoso e disseminou muita coisa boa!
    Ate hoje sinto falta de uma conversa!
    Um grande abraço

  8. José Carlos Ferreira

    7 de janeiro de 2014 em 20:35

    Victor, excelente texto, obrigado por compartilhar.

  9. LEONARDO WANDERLEY SANTOS

    14 de agosto de 2017 em 13:47

    Oi Victor,
    Muito bom o texto! Serviu em 2013 e vai servir por muito tempo ao longo da trajetória profissional do todos nós. Acho particularmente interessante as oportunidades que temos de influenciar e inspirar, assim o risco de desperdiça-las.
    Gosto dos seus textos, eu mesmo iniciei um blog mas estou lutando com o que você diz de esforçar-se ao máximo para fazê-lo um hobby permanente. O que você fez e acha que tenha sido essencial para que se tornasse um hábito?
    Abraço!

    1. Victor

      15 de agosto de 2017 em 00:04

      Obrigado, Leo! Vai servir mesmo. Grande abs

Deixe uma resposta

Send this to friend